MANTRA DA FELICIDADE: "Loka Samasta Sukhino Bhavantu"

MANTRA DA FELICIDADE: "Loka Samasta Sukhino  Bhavantu"
Que todos os seres sejam felizes e bem aventurados.Este mantra fala sobre a felicidade, e faz com que a gente reflita sobre isso : todos merecem a felicidade, viver na sua plenitude, celebrar e simplesmente ser... cada um nasceu para ser feliz, portanto, vamos cumprir o nosso destino!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

GEORGE HARRISON ,A INDIA,E O YOGA

George Harrison
ESTRELANDO O BEATLE QUE NOS APRESENTOU O ORIENTE,O YOGA,RISHIKESH, E QUE, APESAR DA VIDA DE POPSTAR, MANTEVE A SERENIDADE ATÉ O FIM DA VIDA
Olhos escuros, rosto alongado, expressão profunda. Desde criança George Harold Harrison tinha esse ar grave, misterioso, depois realçado pela descoberta da meditação transcendental e pelo encontro definitivo com o misticismo oriental. Introspectivo, normalmente calado, George tinha, no entanto, tiradas que desarmavam o ouvinte, reveladoras de um humor no mínimo peculiar. Quando a polícia deu uma batida em sua casa, ele informou sarcasticamente: “Sou um cara organizado: guardo as meias na caixa de meias e as drogas na caixa de drogas”. Era tímido também, de uma timidez que podia se confundir com arrogância, mas que, na verdade, escondia boa dose de autoconfiança. 
Começou a tocar violão religiosamente e fundou a banda The Rebels, com 14 anos. Chegaram a se apresentar ao vivo, por um caneco de cerveja cada. Foi nesse momento que conheceu Paul McCartney no ônibus que ia para a escola. Apesar de Paul ser mais velho, ficaram logo muito próximos, até que George foi convidado a assistir uma apresentação dos Quarry Men.
John Lennon, o líder do grupo, não ficou muito impressionado ele. Mas bastou que George tocasse uma música para que o líder se convencesse e o “contratasse”. Com o tempo, os Quarry Men ganharam asas e tornaram-se os Beatles, fazendo shows todas as noites, a base de entusiasmo, talento e anfetaminas.
Foi de George, e não da dupla Lennon e McCartney, a primeira gravação original feita pelos Beatles.
Se George teve muito a ver com o início criativo do grupo, foi também de sua autoria a música que marcou o fim dos Beatles. I Me Mine foi a última gravação feita pela banda, a essa altura (1970) em frangalhos.Oito dias depois do registro de I Me Mine”, Paul anunciou o fim da banda.
Nos pouco mais de dez anos de existência, os Beatles praticamente estabeleceram todos os novos parâmetros do rock e do pop. George tinha sua cota como cantor e autor em uma ou duas faixas por disco da banda e foi conquistando seu espaço com canções cada vez melhores. Alguns dos maiores clássicos dos Beatles são de sua autoria
 O momento diferencial foi quando, em 1966, foi com a mulher, a modelo Pattie Boyd, para a Índia, onde ficou hospedado na casa de Ravi Shankar. Iniciaram uma amizade que seria responsável em grande parte pela popularização da cultura indiana no Ocidente. Shankar não apenas lhe ensinou a tocar cítara, como foi decisivo na conversão espiritual do amigo. Foi depois desse encontro iluminador que os Beatles foram à Índia meditar sob os auspícios de Maharishi Maheshi Yogi, um guru de longos cabelos, barbas brancas e sorriso curioso.  Foi descobrindo as notas e fez de Norwegian Wood a primeira música pop com sabor indiano. Within You Without You.
A ioga, as batas, os incensos e o I-Ching também faziam parte desse novo universo místico de HarrisonCantor humanitário Essa irredutibilidade, ou personalidade forte, de certa forma rimava com os traços firmes e o jeito introspectivo do músico.Foi ele, o beatle silencioso, quem fez maior barulho logo após o rompimento, em 1970. O álbum triplo (triplo!) All Things Must Pass, composto de canções que ele represou ao longo de sua convivência difícil nos Beatles, foi um sucesso absoluto de crítica e público. O single My Sweet Lord, um mantra de melodia irresistível, foi alçado ao Olimpo do pop, atingindo o primeiro lugar nas paradas de vários países do mundo, inclusive os Estados Unidos. Emocionado quando ouviu a canção, o cético Lennon chegou a comentar: “Estou começando a acreditar em Deus.”
Ápice do envolvimento de George com a espiritualidade indiana, a música com a gentileza de um haikai num papiro, parece dirigir-se diretamente a Krishna, mas de forma que todos a ouvissem. A produção de Phil Spector, com uso de coros e baterias, fez com que a música soasse grandiosa sem perder a simplicidade. Talvez venha daí o segredo de George: a forma gentil e sincera de despertar os sentimentos.
E foi com esse espírito que preparou em seguida o grande (e emocionante) Concerto para Bangladesh (1971), país que vinha sendo devastado pela miséria e guerra civil. George chamou os amigos Bob Dylan, Ravi Shankar, Eric Clapton e Ringo Starr, entre muitos outros, e realizou o primeiro concerto beneficente da história, reservando todos os lucros para a Unicef e a causa que tinha abraçado (envolvido com a religião Hare Krishna até o fim da vida, e baseado em seus princípios humanitários, George viria a criar a fundação beneficente Material World).
 
Em 1999, num lance bizarro, sobreviveu às várias facadas de um intruso em sua casa – foi salvo pela segunda mulher, Olívia. Antes mesmo desse incidente quase fatal, ele já vinha combatendo um câncer. Sabendo que iria morrer, gravou em 2001, com ajuda do único filho, Dhani, um último disco, Brainwashed, que acabou se tornando um de seus melhores trabalhos. Iluminado por estóica serenidade e até leveza, o CD revela a atitude única de George diante da morte – chega a dar a impressão de que ele canta as músicas sorrindo. Ao fim, ele faz ecoar o mantra: “Shiva Shiva Shankara Mahadeva... a achar que existe um Deus”. Com suas músicas,e sua espiritualidade,soube viver e morrer com dignidade, ele acabou de certa forma,dentro do que ele acreditava, dizendo:NAMASTÊ, á humanidade, pois ele com certeza tinha Deus dentro de si, e de seu modo saudou a todos com sua arte!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores